• Pullips
    http://i25.photobucket.com/albums/c98/nanadorough/teste000001_zps3f1d850a.png
    Clique e conheça mais sobre estas encantadoras dolls! Leia Mais...
  • Rainbow Cupcake
    http://i25.photobucket.com/albums/c98/nanadorough/teste000002copy_zps036529c7.png
    Aprenda aqui como fazer a lendária receita de cupcake arco-íris! Leia Mais...
  • Backstreet Boys
    http://i25.photobucket.com/albums/c98/nanadorough/teste000005_zpsb518dd09.png
    Leia neste post como esta incrível banda faz parte da minha vida há mais de uma década e a minha saga para conhecê-los! Leia Mais...
  • Britney em imagens raras
    http://i25.photobucket.com/albums/c98/nanadorough/teste000004_zps8cfbd2dd.png
    Veja aqui imagens raras de Britney Spears em sua trajetória pessoal e profissional. Leia Mais...
  • Salvador
    http://i25.photobucket.com/albums/c98/nanadorough/teste000006_zpscada8fdb.png
    Veja aqui imagens desta terra encantadora e cheia de luz! Leia Mais...

14 maio 2012

Feliz dia das mães! Feliz dia do amor!

Olá, pessoal!


Como vão?!

Sumi, né?!

Ah, viajei pra Caldas Novas, adoeci, ando muito atarefada em meus dois empregos e, como agora trabalho quase 12h por dia em frente a um computador (sim, saí de vez de sala de aula, mas isso é assunto pra outro dia), ando com bastante preguiça de internet.

Não que eu esteja desdenhando de vocês, caros leitores... É cansaço mesmo! 

Mas, pra variar, como o blog tem como tema: "A vida, segundo o meu ponto de vista", sempre tem algo que me chama a atenção e que eu PRECISO (com todas as minhas forças) compartilhar aqui!

(Esse post era pra ter saído na sexta-feira, mas enfim! Ocupei-me de outras coisas.)

Então, estou cá em um de meus dois empregos, quando começa uma "homenagem ao dia das mães".

Neeeem desci pra ver do que se tratava, porque estava atolada de serviço online.

Porém, passam pelo corredor duas mulheres conversando sobre a homenagem e uma delas parece que ganhou um brinde da cerimônia, via sorteio.

Eis então que escuto a maior besteira dos últimos tempos e que foi o que me fez vir aqui escrever pra vocês:

"Ah, não valeu você ter ganhado! Você não é mãe!"


E a moça (inteligentemente) responde:

"Eu posso não ser mãe, mas eu tenho mãe".

Depois da belíssima resposta à tolice mencionada, um silêncio pairou no ar. 

Não sei se o brinde foi um colar cravejado de diamantes Tiffany ou um bombom Sonho de Valsa, pra gerar tamanha revolta.

O fato é que, por meio de comentários tão cretinos é que percebemos sutilmente o quanto as datas viraram apenas... Datas!

Dia da mães virou a data pra comprar fogão e panela para aquela que ficou com você 9 meses na barriga (vide quase todas as propagandas de lojas de eletrodomésticos que estão passando na tv).

Aí temos os desdobramentos (cretinos) implícitos:

Sua mãe não está mais entre nós? Ferrou, esse não é um dia pra ser comemorado por você!

Sua mãe quer um Playstation de presente???? NÃO! Ela é mãe! Mães gostam de panelas, não jogam videogame! No máximo... Se maquiam de vem em quando!

Não foi criado pela sua mãe biológica? Ferrou também! Não viu que as propagandas mostram barrguinhas de grávida?!



Você tem um pai que é uma mãe pra você?! Hello!!!! Cai na real! Já viu na propaganda algum homem sendo mãe?! Aff!


E é assim que nesse mundinho que quer ser tão livre de preconceitos e tão a favor das diferenças que temos uma figura pronta e acabada de mãe: alguém obrigatoriamente do sexo feminino, que gera seus filhos e que pode até trabalhar fora, mas que fica muito feliz se ganhar fogões e máquinas de lavar da promoção!

Achou um absurdo o que eu disse?!

Pois é...

Mas é deste preconceito velado e diluído no meio social que a ideia, por exemplo, de mãe se torna tão vazia, culminando em comentários como o que eu mencionei no início: aparentemente inofensivos, mas que trazem uma carga de discriminação do tipo:
"você ainda não gerou uma vida, como ousa participar de um seleto sorteio para um grupo de mulheres que teve o privilégio dar a luz?!"

Pareço trágica demais?!

Então acompanhe meu raciocínio:

Você que está lendo este post: É homem ou mulher?

Já tem filhos?

Se sim, quando não tinha, costumava ganhar presentes?

Se você respondeu que é homem ou mulher sem filhos, certamente, nunca se considerou mãe no segundo domingo de maio!

Agora te pergunto:

Você já ajudou alguém, a ponto de mudar a vida dessa pessoa totalmente?

Já aconselhou, deu um abraço e confortou o coração de quem precisou um dia de carinho?

Já ensinou as primeiras letrinhas, os primeiros passos, ou mesmo já deu as primeiras lições de como andar de bicicleta sem rodinha ou dirigir um carro?

Já defendeu alguém em uma situação perigosa ou desagradável, sem esperar nem um agradecimento?

Já ajudou um desconhecido, pelo simples prazer de ser solidário?

Já cuidou de um animalzinho filhote ou mesmo doente e fez com que ele crescesse saudável?

Todos nós, homens, mulheres, jovens, adultos ou idosos, já fizemos alguns desses itens um dia na vida... Ou seja:
fizemos o bem!

E ser mãe é isso: É fazer o bem!

Portanto, não importa se você é homem ou mulher e se gerou ou não uma vida: todos nós podemos ser mãe por meio do amor que espalhamos em nossas relações e atitudes pela vida!


Sempre ouvi que "mãe é quem cria". 



Pra mim, ser mãe é mais que isso: é quem dá amor, nas suas mais diversas formas! 

Ser mãe é poder mostrar ao outro o caminho e lembrá-lo de que você caminhará junto.

Ser mãe é mostrar ao outro que podemos tudo, basta querer e persistir!

Ser mãe é ensinar, acolher, dar abrigo e proteção, mesmo que seja em um simples abraço ou na frase "conte comigo sempre!".

Ser mãe é mostrar que as dificuldades podem ser superadas e que a dor faz parte da vida.

Ser mãe é  aprender! Aprender que podemos pela vida afora o que quisermos e que nosso futuro é consequência de nossos atos.

E quantas tias, avós e madrinhas não são mães assim? Quantos pais? Quantos professores? Quantos médicos? Quantos amigos? Quantos desconhecidos prontos a praticar o bem...






E quantas mães biológicas são omissas e jamais praticaram nem um décimo do que eu disse aqui?

Quantas se orgulham em dizer que geraram um filho, mas nunca trocaram um fralda? Nunca foram a uma festinha na escola? Conferiram a responsabilidade de educar a uma babá? Quantas não se importam com o bem-estar, nem tampouco com a felicidade de seus filhos?

Quantas mães biológicas renegam seus filhos pelos mais diversos motivos e estes acabam encontrando o carinho não recebido, em tias, avós e madrastas e até nos amigos?

Vemos isso muito na escola, com tantas crianças que vêem as mães biológicas como desconhecidas e se sentem acalentadas com um simples adesivo que a professora cola no caderno pelas atividades cumpridas com êxito!

Uns até chamam "sem querer" a professora de "mãe", por associar o carinho recebido na aula, com a figura materna.

Por isso, nesse dia das mães seja justo: Não se esqueça de ligar, dar um abraço ou mesmo dar um presente a quem, em algum momento da vida, foi uma mãe pra você!
Não interessa se é sua mãe biológica, adotiva, seu pai, seu tio, seu irmão, seu padrasto ou madrasta, sua avó, sua vizinha ou sua professora.

Use a data para agradecer quem te deu a mão e te mostrou o caminho para que você chegasse até aqui!

E se acharem esquisito, explique:
"Ser mãe é dar amor, é ensinar sobre a vida. E, por isso você foi/é uma mãe para mim!".

E se você também, mesmo que não-biologicamente, já foi uma mãe para alguém em algum momento, comemore!

E se alguém quiser te excluir da data só porque você não sentiu as dores do parto, orgulhe-se em dizer que, mesmo não gerando vidas, você já pode gerar lições, oportunidades e caminhos para a vida de muita gente!

Um feliz dia das mães atrasado a você mãe biológica, de criação, pai, professor, enfermeiro, médico, voluntário, babá, irmã e a todos que praticam o amor e a fraternidade nesse mundo, nas mais diversas formas!



Com carinho, 


Naná   


Real Time Web Analytics